Governo brasileiro condena comentários racistas sobre Vinicius Jr. na Espanha

Poderia 23, 2023

O governo brasileiro condenou os recorrentes "ataques racistas" contra o jogador de futebol brasileiro Vinicius Jr. na Espanha. Esta resposta veio após o último incidente no domingo durante o jogo do Real Madrid contra o Valencia.

Torcedores do Valencia foram flagrados em vídeos compartilhados nas redes sociais, verificados pela Reuters, cantando insultos ofensivos, incluindo a frase racialmente depreciativa "Vinicius é um macaco", enquanto o ônibus do Real Madrid chegava ao estádio antes da partida.

Mesmo no meio do jogo, o jovem de 22 anos teve que aguentar os insultos. O jogo parou por 10 minutos quando Vinicius Jr identificou torcedores fazendo comentários racistas contra ele. Como resultado, o segundo maior artilheiro do Real Madrid nesta temporada recebeu cartão vermelho e foi expulso.

Vini Jr. foi às redes sociais para abordar a situação, escrevendo: "O campeonato que já foi de Ronaldinho, Ronaldo, Cristiano e Messi hoje é dos racistas".

O ala também disse que lamentava se algum espanhol não concordasse com sua declaração, mas a Espanha hoje é conhecida como "um país de racistas" em seu país natal.

Governo brasileiro exige justiça

A vice-chanceler do Brasil, Maria Laura da Rocha, expressou seu espanto com os ataques racistas contra o jogador.

Durante um seminário sobre as relações do Brasil com os países africanos, ela disse: "Vinicius Jr. recebeu cartão vermelho por não aguentar tudo isso. O cartão vermelho deveria ter sido dado ao racismo".

O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva também falou na cúpula do G7 em Hiroshima, Japão, sobre as preocupações com o racismo na La Liga, instando a liga e a FIFA a resolver o problema.

"Quero começar esta entrevista com um gesto de solidariedade a um jogador de futebol brasileiro - jovem, negro, do Real Madrid, que ontem, em jogo no estádio do Valência, foi duramente agredido, sendo chamado de macaco", disse Lula.

Lula também disse que é inaceitável testemunhar tamanho preconceito racial em vários estádios de futebol no século 21. Achava injusto que um jovem e talentoso jogador que, apesar de suas notáveis conquistas e de ser reconhecido como um dos melhores do Real Madrid, sofra insultos constantes em todos os estádios que visita.

A embaixadora Maria Luisa Escorel, secretária adjunta do Brasil para assuntos europeus e norte-americanos, também conversou por telefone com a embaixadora da Espanha no Brasil, Mar Fernández-Palacios, sobre o assunto.

Questionada, a Embaixada da Espanha no Brasil não comentou, mas retuitou a declaração do primeiro-ministro Pedro Sánchez denunciando o racismo no futebol.

Eles também emitiram um comunicado condenando as manifestações racistas e expressando solidariedade a Vini Jr., esclarecendo que tais ações não refletem a postura antirracista da maioria dos espanhóis.

Procuradores espanhóis abrem investigação

Os promotores espanhóis iniciaram uma investigação sobre os cânticos racistas. O Real Madrid já havia apresentado uma queixa anteriormente, pedindo uma investigação completa e responsabilização dos responsáveis. O clube considera os cânticos um claro exemplo de crime de ódio.

O conselho de esportes do governo da Espanha está analisando as imagens para identificar os indivíduos responsáveis pelos insultos e comportamentos racistas para sugerir sanções adequadas.

Em casos semelhantes anteriores, o conselho recomendou a proibição de um ano nos estádios e multa de 4.000 euros (R$ 21.527) para os culpados.

flag
Marcos Barros
Marcos Barros é um verdadeiro fanático por esportes. Ele adora escrever sobre futebol e jogos de azar online e também é um jogador apaixonado.